Cidades Sustentáveis e Inteligentes (Parte 02 – Mobilidade Urbana)

Como vimos na parte 01, três fatores se mostraram prioritários para transformar as cidades de hoje em cidades verdes e inteligentes.  Se focarmos nossas atenções para um melhor gerenciamento de resíduos sólidos, desperdício de energia, desperdício de recurso e maior subsistência local, empregos, investimento, estaremos resolvendo parte dos sistemas urbanos circulares e econômicos.

Entretanto, outra grande parte, se não o maior problema dos municípios de Mato Grosso estão na falta de Infraestrutura urbana resiliente e adaptável ao clima, na precariedade de ecossistemas sustentáveis e serviços ecossistêmicos em áreas urbanas, peri-urbanas e rurais, assim como a baixa qualidade do ar, muitas vezes causadas pelo uso de transportes públicos e particulares poluentes e que ainda usam combustível fóssil para se deslocarem.

Então como devemos alcançar, por exemplo, a Mobilidade Inteligente e Verde sem mudar radicalmente nossa matriz de combustível fóssil? Em Seul entre os anos de 1950 e 1960 a infraestrutura de transporte era muito deficiente, como a de Cuiabá de hoje, por exemplo. O aumento do número de carros levou a infindáveis congestionamentos. Qual foi a solução?

A introdução de Sistemas inteligentes que inserido, ao longo do tempo criou faixas de ônibus, cartões de tráfego inteligentes, sistema de informações de transporte público e um centro de controle de gestão. Os dados coletados em tempo real geraram uma precisão da informação para o transporte de até 98%, com uma taxa de satisfação pública de 96%.

Como consequência do uso da TIC – Tecnologia de Informação e Comunicação, maior uso e confiabilidade, redução de congestionamento, melhoria da qualidade do ar, redução das emissões de GEE – Gazes do Efeito Estufa e integração geral.

Outra ação importante e fundamental para a mobilidade foi o uso de Big Data – termo em Tecnologia da Informação (TI) que trata sobre grandes conjuntos de dados que precisam ser processados e armazenados – no transporte público noturno (ônibus).

O Governo Metropolitano de Seul usou o big data em colaboração com as operadoras de telefonia móvel para determinar as rotas mais populares entre a meia-noite e as 5 da manhã. Essa simples ação, com uso da tecnologia da 4ª Revolução Industrial, proporcionou a garantia da conveniência dos cidadãos e o retorno seguro aos seus destinos quando o transporte público não estava normalmente disponível.

Em Medellín, que até poucos anos atrás era considerada a cidade mais perigosa do mundo e sede do cartel de drogas, implantou uma rede de mobilidade integrada projetada para a cidade. A rede consiste em metrô, teleférico, BRT, compartilhamento de bicicletas públicas e bonde. Resultados: diminuição das taxas de criminalidade, redução do congestionamento e ciclismo verde.

Como podemos perceber, existem boas práticas acontecendo pelo mundo e não só em países desenvolvidos, que estão transformando as cidades cinzas, em cidades verdes e inteligentes com uso de sistemas integrados que evitam falhas em cascata, com extinção de mudanças de abordagens setoriais e planejamento fragmentado, para respostas de investimento utilizando a Inteligência Humana com infraestrutura de baixo carbono, sistemas ‘inteligentes’ adaptativos e comunidades capacitadas.

Então, o que é preciso para que Cuiabá e os demais municípios do Estado de Mato Grosso se tornem municípios verdes e inteligentes? As universidades estão capacitando os futuros profissionais para atuarem com IA – Inteligência Artificial e TIC – Tecnologia de Informação e Comunicação na gestão de nossas cidades? Existe uma política governamental de capacitação continuada para os atuais gestores públicos, a fim de serem habilitados para atuar com estas novas ferramentas da 4ª Revolução Industrial que estão disponíveis?

Nós, da AAU-MT, que nos arriscamos a sonhar e a realizar nossos sonhos, acreditamos que podemos mudar. Transformando as cidades cinzas em Cidades Verdes.

Venha realizar seus sonhos conosco!!!

Anúncios

Sobre Eduardo Chiletto

Arquiteto e Urbanista - Presidente da Academia de Arquitetura e Urbanismo-MT. Coordenador Nacional de Projetos da PAGE - Brasil. Secretário de Estado de Cidades-MT (2015-2016)... Conselheiro e Vice-presidente do CAU/MT - Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso (2015-2017)
Galeria | Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s